sábado, 11 de dezembro de 2010

Violência doméstica !!!


Tenho um feitio lixado, eu sei, reconheço que sim!!

Não tenho paciência para certo tipo de coisas, não tenho, poderei estar a ser injusta, sim, provavelmente estou, mas por muito que me esforce eu não consigo lidar com algumas situações e passo de boa ouvinte a bruta, insensível e essas coisas todas.. what ever...


Também tenho dias menos bons, também tenho dias que só me apetece lamentar, mas tento sempre curtir as minhas mágoas comigo, ou com alguém que me entenda, não sou pessoa de no meu dia a dia, andar a chorar pelos cantos, do tipo, sou uma desgraçadinha, isso não, posso estar muito mal, mas faço os possíveis para não o demonstrar, bom, mas não vim aqui falar de mim, pois felizmente só passei uma vez por uma coisa PARECIDA com violência doméstica, que foi o agarrarem-me no braço com mais força e, essa "alminha" nunca mais me viu falar para ela...sim tenho mau feitio e não perdoo essas coisas.

Tenho uma amiga que sofre na pele aquilo que chamamos violência doméstica, depois de a ouvir mais de 50 vezes( sempre que aparece completamente negra perto de nós ) dizer que, vai sair de casa dele ( ela tem a casa dela, mas alugou-a, quando foi viver com ele) que não aguenta mais, que não pode permitir que a filha ( só dela) a veja ser agredida, etc etc etc e mesmo depois de eu ter dito que não a ajudava em mais nada, porque estava farta de a ouvir e não a via fazer nada para resolver a situação, lá a voltei a ajudar ( coração de parva ) procurámos casas para alugar, fomos ver algumas até... Eis que... hoje lhe pergunto, então já te decidiste pela casa? diz-me ela, ai sabes, afinal já não vou sair, é que eu também lhe respondo mal ás vezes, mas o pior é que eu sozinha e a minha filha vai ser muito complicado e eu não consigo abdicar da vida que ele me dá ....

Bom, não caí da cadeira por pouco, não queria acreditar no que estava a ouvir, então, ela prefere levar porrada e aparecer toda negra, permitir que a filha assista de bandeja e não tem coragem de sair pois vai ficar com muito pouco dinheiro !!!

Não consegui pronunciar muito mais do que um .... se fosse eu, nem que tivesse que comer Nestum todos os dias, mas jamais permitiria que alguém me batesse e muito menos que a minha filha assistisse a tal coisa. ( Não gosto de dizer nunca, mas a isto, eu posso dizer que nunca, posso vir a ser vitima de violência, mas garanto que é apenas uma vez )

Virei costas, completamente revoltada e doente com aquela história, como é que é possível as pessoas serem assim !!!

Não terem um pouco de amor próprio nem de auto estima, ainda por cima, por dinheiro???
PS : Estou a falar de uma pessoa que tem possibilidades de se sustentar a si e á filha, não poderá contudo, viajar todos os fins de semana, jantar fora, comprar apenas roupas de marca, relógios, anéis, carros novos, essas coisas todas que a mim, não pagam, a dignidade e o amor próprio que gosto de ter :(

8 comentários:

Sonhador disse...

Parabens pelo artigo: Vista o meu www.saudedferro.blogspot.com

ABRAÇOS

Buxexinhas disse...

A mais pura realidade... Eu mesma fiz um post sobre este tema... E continuo sem perceber!!! Beijinhos

Eu Mesma! disse...

Eu tb não entendo...
não consigo entender o que prende as mulheres a situações dessas... não consigo sequer entender....

:(

modahfashion disse...

segue meu blog por favor
http://modahfashion.blogspot.com/

Sonhadora disse...

Sinceramente também não entendo! Deve gostar mesmo de apanhar tareia, é a única explicação que vejo para continuar a levar esse tipo de vida! Sinceramente por mais que amasse um homem não permitiria uma situação dessas! E a criança, ela não pensa no que a filha está a ver e a sofrer por ver a mãe nessa situação? Chocada, completamente chocada!

Nicole disse...

Gostei muito da tua publicação..
Também tou como tu.. Não percebo porquê q essas mulheres deixam.se ficar assim.. Por homens q não merecem sequer viver..
E também não percebo (um assunto um pouco diferente) como algumas conseguem vender.se e nem qero imaginar mais.. :/

sonhos disse...

Bem amiga, tu sabes pelo que passei, é complicado tomar uma decisão, não pq não queremos, mas sim pq já não somos nós, por medo, falta de auto estima,etc, mas aqui neste caso parece-me que o "NÂO" é por conveniência,a troco de trapos, estatuto, enfim, pior com uma filha. É triste ainda haver mulheres que pensam assim, cada vez me orgulho mais da atitude que tive. beijinhos amiga.

Mafalda disse...

Andava eu à procura de imagens para me inspirar para um trabalho e eis que me deparo com este blog. Devo, antes demais dar os parabens pelo mesmo, já vi temas interessantes aqui debatidos. Contudo, este sobre a violência doméstica, suscitou-me particular interesse. O primeiro pensamento foi: "com mulheres a pensar assim não admira que as vítimas se isolem socialmente". Pois, acontece que a violência doméstica é um problema social demasiado complexo para ser levado com esse ânimo leve todo. Acredito que sinta que nunca passará por nada disso, e assim o espero de verdade mas, se pesquisar um pouco encontrará material muito interessante que lhe explica como as mulheres vítimas de violência doméstica têm uma existência "aguilhotinada" à sua própria vida. Aquilo que lhe parece um ficar por conveniência, pode ter subjacente uma forte depenência emocial (o que não descarta a económica, obviamente)e ser essa a verdadeira razão para se manter na relação. Além do mais, qualquer um de nós quando parte para um relacionamento edifica um plano em conjunto com o parceiro, cria um projecto de vida. Quando em situação de violência conjugal essa teoria cai por terra é muito dificil de aceitar e ser o próprio a decidir pôr um fim definitivo abandonando a relação abusiva. Uma outra questão é a de que a violência doméstica desenrola-se num ciclo, o que significa que a sua amiga não é batida a cada minuto do dia. Esse ciclo tem três fases e ela é batida na segunda fase, que tem a duração de 2horas a 24horas, raros sao os casos em que leva mais tempo. Na fase seguinte (a 3ª portanto), denominada de "lua-de-mel", o agressor pede desculpas e faz promessas de não voltar a repetir o mesmo comportamento. É uma fase repleta de afectos que levam a vítima a acreditar até porque quer manter o tal projecto de vida contruido em conjunto.
Isto tudo para lhe explicar que por mais que seja legitimo sentir toda essa indignação e mal-estar pela situação da sua amiga, a reacção dela também é legitima e compreenível. Por isso mesmo, em vez de opinar, ajude-a a recorrer a ajuda especializada (APAV ou Núcleos de Atendimento à Vítima de Violência DOméstica), serviços anónimos que asseguram a confidencialidade e prestam um serviço gratuito.

Obrigada e felicidades!